DESAFIOS DOCENTES NA PRODUÇÃO DE TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS

APLICATIVO EM ANDROID PARA ENSINO DE SOLUÇÕES QUÍMICAS

  • Lucas Pereira Gandra Fundação Educacional de Coxim
  • Geilson Rodrigues da Silva Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
  • Gabriel de Paiva Pereira Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
  • Gabriélle Helpis dos Santos Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul

Resumen

Atualmente o Ensino de Química ainda preza por métodos tradicionais de ensino, uma vez que os conteúdos são apresentados de forma descontextualizada e fragmentada. Nesse contexto, as tecnologias da informação e comunicação (TICs) têm se mostrado como técnica de ensino para colocar o discente como protagonista no processo de ensino e aprendizagem. Sendo assim, a presente pesquisa teve como objetivo desenvolver uma TIC no formato de aplicativo para Android que aborde conceitos de soluções químicas. O desenvolvimento do aplicativo foi norteado pelo diagrama “Modelo de Modelagem”, utilizando o ambiente Android Studio com plataforma IDE. Ao todo foram produzidas cinco telas, sendo um menu, uma calculadora de soluções, uma calculadora de massa molecular, uma calculadora de diluição e a tela “sobre” com os dados dos desenvolvedores. Dessa forma, aponta-se a modelagem como ferramenta para o desenvolvimento de TIC’s, bem como, a importância do docente desenvolver suas próprias tecnologias como o aplicativo de soluções químicas desenvolvido.


PALAVRAS-CHAVE: Técnica de Ensino; Modelagem; Ensino de Química.


TEACHERS CHALLENGES IN THE PRODUCTION OF EDUCATIONAL TECHNOLOGIES: ANDROID APPLICATION FOR TEACHING CHEMICAL SOLUTIONS


ABSTRACT


Actually, Chemistry Teaching still values ​​traditional teaching methods, since the contents are presented in a decontextualized and fragmented way. In this context, information and communication technologies (ICTs) have been shown as a teaching technique to place students as protagonists in the teaching and learning process. Therefore, the present research had aimed to develop an ICT in the format of Android application that addresses concepts of chemical solutions. The application development was guided by the "Modelling Model" diagram, using the Android Studio environment with IDE platform. In all, five screens were produced, including a menu, a solution calculator, a molecular weight calculator, a dilution calculator, and the "on" screen with developer data. In this way, it is pointed out the modeling as a tool for the development of ICTs, as well as the importance of the teacher to develop their own technologies as the chemical solutions application developed.


KEYWORDS: Teaching Technique; Modeling; Chemistry Teaching.

Citas

ABREU, N, S. MAIA, J. (2016). O ensino de química usando tema baía de Guanabara: Uma estratégia para aprendizagem significativa. Química nova na escola. v.38, n.3, p. 261-268.

ARAUJO, P, M,P. ERROBIDART, N,C,G. JARDIM, M,I, de A. (2017). Videocast: Potencialidades e desafíos na prática educativa segundo a literatura. In: Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. Anais. XI. Florianópolis: ENPEC, 8p.

BARROS, F, C, L, S. (2011). O Estudo de uma Simulação em Soluções Ácido-base. 2011. 68f. Tese (Doutorado em Educação), Departamento de Física e Química da Universidade do Porto, Porto.

BRASIL. MEC. (1999). Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Médio. Brasília: MEC/SEMTEC.

BRASIL. MEC. (2002). PCN+. Orientações Educacionais complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Médio. Brasília: MEC/SEMTEC.

BRASIL. (2013). MEC. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretoria de Currículos e Educação Integral. Brasília: MEC, SEB, DICEI.

CLEMENT, J. (1989). Learning via Model Construction and Criticism - Protocol evidence on sources of creativity in science. In J. A. Glover, R. R. Ronning & C. R. Reynolds (Eds.) Handbook of Creativity: assessment, theory and research. New York: Editora Plenum. p. 341-381.

FERREIRA, P. F. M. (2006). Modelagem e suas contribuições para o Ensino de Ciências: uma análise no estudo de equilibrio químico. 165p. Dissertação do Mestrado em Educação, Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte.

FERREIRA, L, H. CORREA, K, C, S. DUTRA, J, L. (2016). Análise das estratégias de ensino utilizadas para o ensino da tabela periódica. Química Nova na Escola, v.38, n. 4, p.349-359.

GANDRA, L. P. FARIA, A. G. V. (2014). Modelo didático para a representação de estruturas que contempla as diferentes hibridizações de átomos por meio da modelagem como estratégia para o ensino de química. In: Encontro Nacional do Ensino de Química, 17., 2014, Ouro Preto. Anais…Ouro Preto, 12p.

GANDRA, L. P. FARIA, A. G. V. DOS SANTOS, G. S. (2016). Modelagem e educação profissional: possíveis relações em uma abordagem pedagógica para soluções químicas no ensino médio integrado ao técnico em informática. Revista Brasileira da Educação Profissional e Tecnológica, v. 1, n. 6, p. 47-60.

GILBERT, J. K et al. (2000). Positioning models in science education and in design and technology education. In J. K. GILBERT; C. J. BOULTER (Org.). Developing Models in Science Education. Dordrecht: Editora Springer, p. 3-18.

GIORDAN, M. (2008). Computadores e linguagens nas aulas de ciências. Ijuí: Unijuí.

GRANÉ, M. WILLEM, M. (2009). Web 2.0: Nuevas formas de aprender e participar. Barcelno: Laertes.

JUSTI, R.; GILBERT, J. K. (2002). Modelling, teacher’s views on the nature of modelling, implications for the education of modelers. International Journal of Science Education, Vol 24, n.4, p.369-387.

JUSTI, R. (2006). La Ensenãnza de Ciencias Baseada en La Elaboración de Modelos. Ensenãnza de Las Ciencias. V.24.n.2, p.173-194.

JUSTI, R. (2010) Modelos e modelagem no ensino de Química: um olhar sobre aspectos essenciais pouco discutidos. In: SANTOS, Wildson Luiz P. dos; MALDANER, Otavio Aloisio (Org.). Ensino de Química em foco. Ijuí: Editora Unijuí, 2010. p. 209-230.

JUSTI, R. (2015). Relações entre argumentação e modelagem no contexto da ciência e do Ensino de Ciências. Revista Ensaio, v. 17, número especial, p. 31-48.

LEÃO, M, B, C. (2004). Multiambientes de aprendizaje em entornos semipresenciales. Revista Pixel-Bit Médios y Educación. n.23, p. 65-68.

LEITE, B. (2014). M-Learning: o uso de dispositivos móveis como ferramenta didática no Ensino de Química. Revista Brasileira de Informática na Educação. v. 22, n.3, p. 55-68.

LEITE, B. (2017). Aplicativos para dispositivos móveis no Ensino de Astroquímica. Revista Debates em Ensino de Química. v. 3, n.1, p. 15-170.

LOURENÇO, I, M, B. MARCONDES, M, E, R. (2003). Um plano de ensino para o mol. Química Nova na Escola. n.18, p. 22-25.

MACHADO, A, S. (2016). Uso de Softwares educacionais, objetos de aprendizagem e simulações no Ensino de Química. Química nova na escola. v. 38, n.2, p.104-111.

MENDONÇA, P. C. C. (2008). “Ligando” as ideias dos alunos à ciência escolar: Análise do ensino de ligação iônica por modelagem. 241p. Dissertação do Mestrado em Educação, Departamento de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte.

MENDONÇA, P. C. C. JUSTI, R. (2009). Favorecendo o aprendizado do modelo eletrostático: Análise de um processo de ensino de ligação iônica fundamentado em modelagem Parte I. Educación Química, v. 20, número especial, p. 282-293.

MORENO, E, L. HEIDELMANN, S, P. (2017). Recursos Instrucionais inovadores para o Ensino de Química. Química Nova Na Escola. v.39, n.1, p.12-18.

NICHELE, A.G. SCHLEMMER, E. (2016). Aplicativos para o ensino e aprendizagem de química. Renote, v.14,n.1, p.1-10.

NOVAES, M. (2011). Inovação e métodos de ensino para nativos digitais. São Paulo: Atlas.

OLIVEIRA, et al. (2013). Softwares de simulação no ensino de atomística: Experiências computacionais para evidenciar micromundos. Química Nova na Escola. v.35, n.3, p.147-151.

PAIVA, J.C. (2007). O Fascínio de ser professor. Porto: Textos Editores.

ROCHA, J, S.; VASCONCELOS, T, C. (2016). Dificuldades de aprendizagem no ensino de química: Algumas reflexões. ENEQ: In: Encontro nacional de ensino de química. Anais. XVIII, 2016, Florianópolis, ENEQ, 10p.

SABOIA, J. VARGAS, P, L. VIVA, M, A de, A. (2013). O uso dos dispositivos móveis no processo de ensino e aprendizagem no meio virtual. Revista Cesuca virtual: Conhecimento sem fronteiras, v.1, n.1, p. 1-13.

SANTOS, W,L.P. SCHNETZLER, R.P. (1998). Ciência e Educação para a Cidadania. In: CHASSOT, A.I. OLIVEIRA, J.R. (org). Ciência, Ética e Cultura na Educação. São Leopoldo: Ed. Unisinos. P. 255-269.

SILVA,P, F, da. SILVA, T, P. da. SILVA, G, N, da. (2013). StudyLab: Construção e Avaliação de um aplicativo para auxilar o Ensino de Química por professores da Educação Básica. Revista Tecnologias na Educação. v.7, n.13. p. 1-11.

SILVA, R, R. ROCHA-FILHO, R, C. (1995). MOL. Uma nova terminologia. Química Nova na Escola. n.1, Maio, p. 12-14.

SILVA, S, G. (2013). As principais dificuldades na aprendizagem de química na visão dos alunos do ensino médio. CONGIC: In Congresso de Iniciação Científica do IFRN. Anais. IX, Natal, CONGIC, 5p.

SILVA, T. A. MOZZER, N. B. (2015). Conjugando Modelagem e Analogia no Ensino de Equilíbrio Químico. ENPEC: In Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. Anais. X, Águas de Lindóia, ENPEC, 8p.

SOUZA, M, P, et.al. (2004). Titulando 2004: Um software para o ensino de química. Química Nova na Escola. n.22, p. 35-37.
Publicado
2018-02-27
Sección
Artículos